O SEU NOME É JESUS Mateus 1.18-23



“Eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, pois o que nela se gerou é do Espírito Santo; ela dará à luz um filho, a quem chamarás JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, o qual será chamado EMANUEL, que traduzido é: Deus conosco”.
Como é difícil dar nome a alguma coisa e principalmente a uma pessoa (Meus filhos foram meses de conversa (Eu queria Lucas e a Angela Filipe, então depois de muitas ponderações ficou Lucas Filipe. Já o Junior, era um combinado ser for menina você dá o nome, se for homem eu, então ficou Heronilton Junior). Já viu aqueles nomes dados a descobertas científicas (DNA – Ácido Desoxirribonucleico, nossa herança biológica, de todos os seres vivos). Principalmente na biologia, (Manibot Utilissíma, mandioca, aipim; Lactuca sativa, alface...) não é para você guardar mesmo.
Um nome pode definir muita coisa, pode agradar, pode surpreender e pode até virar chacota. Mas uma pessoa também pode fazer seu nome. Pode agregar coisas boas ou ruins ao seu nome. O nome de uma pessoa é sua maior identidade e seu maior patrimônio. O nome representa a personalidade, o caráter e a missão de uma pessoa. Pode-se receber um grande nome por herança, doação e conquista.
Com o nascimento de Jesus ocorreu o mesmo, mas não foram seus pais que o nominaram, mas o próprio Deus, assim o nome Jesus está sobre todo o nome por três razões. O nome de Jesus é conhecido no céu, na terra e no inferno. Anjos, homens e demônios se curvam diante de sua majestade, quem não se curvou um dia irá se curvar.
Deus é algo inexplicável, insondável e jamais foi nominado. Mas ele optou em se revelar com um nome e em forma humana. E este nome ele deu à José e Maria. JESUS, “Ele se chamará Jesus o Salvador”.
Todo nome Bíblico referente a Jesus, nosso Salvador são nada, apenas palatinos ou augustos. Filho de Deus, Cordeiro de Deus, Luz do Mundo, Conselheiro, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz, a Ressurreição e a Vida, Estrela da Manhã, Aquele que Há de Vir, o Alfa e o Ômega.
Na realidade estas expressões se estendem no limite da linguagem humana. Todo nosso esforço linguístico não acha palavras para expressar a grandeza deste nome; é apenas uma tentativa de apreender o inapreensível, de sondar o insondável, de nominar o inominável, de revelar a grandeza de Deus. 
É como pedir para a banda do colégio tocar o Messias de Handel. Uma boa tentativa, mas não funciona. A mensagem, a música ultrapassa o conhecimento que eles têm, a melodia é majestosa demais para o pouco conhecimento e experiência destes garotos. É assim que agimos ao tentar explicar e aprender este nome.
Não há palavras humana para explicar, que faz jus quando é aplicado a Deus. Mas ele mesmo se manifestou através de um nome, e as pessoas que andaram ao seu lado, que viveram em sua época, o reconhecia como o próprio Deus andando entre os homens, quando este nome era pronunciado as pessoas se prostravam e o reverenciavam quando passava. 
Ele (Jesus) se encaixa perfeitamente a toda expectativa humana e a toda esperança de eternidade, o céu desceu a terra. Quando é pronunciado não se tem como não o associar a pessoas, a salvação, libertação, cura, renovação, alegria, segurança... Este nome é JESUS. Nele você pode confiar.
PODE ME CHAMAR DE JESUS
Apesar que no velho testamento ele foi agraciado com muitos pronomes como: Maravilhoso, Conselheiro, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz, Estrela da Manhã, Bom Pastor, Rocha Eterna, Pedra Angular...
Nos evangelhos o nome Jesus é o mais comum, usado quase seiscentas vezes. Jesus é a forma grega para Josué, Jesua e Jeosua, nomes conhecidos no Antigo Testamento. Houve pelo menos cinco sumos sacerdotes conhecidos como Jesus.
O historiador Josefo menciona cerca de vinte pessoas conhecidas chamadas Jesus, nos dias de Jesus. O Novo Testamento fala de Jesus, chamado Justo, amigo de Paulo (Colossenses 4.11), e o feiticeiro de Pafos que é chamado de Barjesus (Atos 13.6). Alguns narradores trazem Jesus como primeiro nome de Barrabás. ‘Quais destes vocês querem que eu solte: Jesus Barrabás ou Jesus, chamado Cristo’? (Mateus 27.17) 
O queremos dizer com isso? Que Jesus poderia ser um ‘Zé’. Deus se manifestou como Jesus, o Salvador, e na época de Jesus este nome era comum o mais comum, como é hoje João, Maria, José, Sebastião. Mas nos parece que aquilo que é simples e comum, não nos atrai, não nos impulsiona, estamos mais vinculados a coisas grandiosas, não nas manifestações simples da beleza de Deus.
Se Jesus se manifestasse hoje, não usaria nenhum título, nenhum nome pomposo como: Reverendo, Santíssimo, Angelical, Divino III. Mas quando Deus escolheu o nome de seu filho, escolheu um nome simples e humano. Tão comum que poderia aparecer duas ou três vezes em uma lista de chamada.
“Aquele que é a Palavra tornou-se carne”. João 1.1
Ele era tão palpável, acessível, atingível, pronto para te acolher e te receber. Ele era comum. Se ele andasse em nosso meio hoje, provavelmente você não o reconheceria, nem repararia nele caminhando num centro comercial. Não atrairia olhares, por suas roupas, nem por suas joias. Mas ele se apresentaria gentilmente por: Pode me chamar de Jesus.
Este é um dos dilemas das religiões, tantos seguidores querendo ser reconhecidos, lembrados, adorados, querendo ser Deus, e o verdadeiro Deus se tornou homem para nos alcançar com seu amor. Ele desejou ser homem; enquanto muitos homens desejam ser Deus.
Efésios 2.5-6
“Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus, o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que é sobre todo nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai”.

Jesus herdou o maior de todos os nomes (Hebreus 1.4). Jesus é a exata expressão do ser de Deus, o resplendor máximo da sua glória, o herdeiro de todas as coisas. Por isso, herdou mais excelente nome do que os anjos e foi exaltado acima de todos os seres celestiais. Ele está entronizado acima dos querubins. Diante dele até os serafins cobrem o rosto. Ele é o Rei da glória e diante de sua majestade todo o universo se curva.
Fiquei quieto por um instante. Você está ouvindo a sua voz, preste atenção no que Ele está dizendo: Pode me chamar de Jesus. Eu sou Jesus.
Jesus era o tipo de pessoa que você chamaria para assistir à final do campeonato Brasileiro, para assistir à final da NBA, da Super Bool, para ir num jantar gostoso, ir no PG tranquilamente, viria na reunião de oração da terça e no culto de quinta sem problemas (E ele está e vem sempre). Ele brincaria com seus filhos no chão da sala, ele dormiria no sofá, abriria a geladeira sem problemas, e faria o churrasco em sua churrasqueira nova. Ele riria de suas piadas sem graça e das engraçadas também. E quando você falasse ele estaria atento, ouviria você como se tivesse todo tempo, toda eternidade.
Sua simplicidade o encantaria. Seu jeito de ser o conquistaria. Gostaríamos de tê-lo ao nosso lado, porque ele dá atenção que precisamos, ele demonstra amor em suas palavras e em seus gestos. Você o convidaria para ficar, para voltar, ou você iria tranquilamente com ele.
JESUS QUER SE RELACIONAR E TER INTIMIDADE COM VOCÊ
A intimidade dos discípulos os levava a chamar seu mestre sem formalidades, mas de Jesus, e os que mais o conheciam se lembravam dele como Jesus. Os títulos Jesus Cristo e Senhor Jesus aparecem apenas seis vezes. Os que andaram com ele não o designava com um título, mas com um nome JESUS.
Pense nas implicações. Quando Deus escolheu se revelar à humanidade, qual meio ele usou. Um livro? Não, isso foi secundário. Uma igreja? Não, isso foi consequência. Um código moral, uma lei? Não, pois isso seria uma limitação da revelação de quem é Deus, restringi-lo a uma lista fria de pode e não pode é trágico. Foi através da teologia? Não, isso foi apenas a interpretação humana da revelação divina.
Ele se revelou através de um corpo humano, com todas as suas limitações, e com toda sua grandeza, com toda sua pobreza e com toda sua riqueza. 
Foi com sua língua que chamou o morto da tumba a vida. Foi com sua mão que tocou o leproso para ser curado. Foi seus pés calejados e empeirados que a mulher chorou e enjugou com seus cabelos. 
E quando ele chorou, suas lagrimas vieram de um coração tão partido, tão sofrido quanto o seu e o meu. E não se esqueça das gotas de sangue vertidas no Jardim das Oliveiras, que era o reflexo de uma alma cheia de angustias. Ele sabe das nossas dores e de nossas alegrias. Ele conhece nossas aflições, ele atende nossas necessidades, ele acolhe nossos dramas, ele cura nossas dores. Porque Ele se revelou como: JESUS.

 “Pois não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas, mas sim alguém que, como nós, passou por todo tipo de tentação”. Hebreus 4.15
As pessoas iam até ele. Iam procurá-lo a noite. Tocavam-no enquanto caminhava na rua. Seguiam-no pelo mar. Convidavam-no para ir a suas casas e colocavam seus filhos aos seus pés. Passavam noite a dentro conversando e proseando coisas sobre a vida e o reino dos céus. 
Ele não se revela apenas como Inatingível, mas agora ele passa a ser Tangível, apenas Onipotente, mas se tornou Potência pura entre nós, apenas Onipresença, mas sempre Presente, o Emanuel, apenas Onisciente, mas Ciente de toda nossa humanidade, volição (sentimentos, desejos, vontades, aflições e dores). 
Não há nenhum outro nome dado entre os homens pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.12). Há poder no nome de Jesus para curar os enfermos (Atos 3.6). Há poder no nome de Jesus para libertar os cativos (Lucas 10.17). Há poder no nome de Jesus para termos nossas orações respondidas (João 16.23). O nome de Jesus é o centro das Escrituras. 
Jesus é o Alfa e o Ômega. Ele é o Maravilhoso Conselheiro, o Deus forte, o Pai da eternidade e o Príncipe da paz. Jesus é Verbo eterno, o Emanuel, o Pão da vida, a Luz do mundo, a Videira verdadeira. Ele é o bom Pastor, a Porta das ovelhas, o Caminho, e a Verdade e a Vida. Ele é a Ressurreição e a vida; Aquele que esteve morto, mas está vivo pelos séculos dos séculos. Ele é o Salvador, o Messias e o Senhor. 
Diante de seu nome reis e vassalos, ateus e religiosos, ricos e pobres, doutores e analfabetos, anjos, homens e demônios precisam se curvar. Seu nome está acima de todo nome que se possa referir no céu e na terra!
Não existe em nenhum lugar o relato de que alguém tivesse medo de aproximar dele. Havia sim zombadores. Havia invejosos. Havia os que não o compreendiam. Havia os que o reverenciavam. Mas não havia ninguém que o considerasse santo demais, divino demais, ou celestial demais para ser tocado, ninguém tinha medo de aproximar-se dele e ser rejeitado. Todos eram ouvidos, acolhidos e recebidos.
Lembre-se é o homem quem cria a distância. É Jesus que constrói a ponte. Pode me chamar de JESUS, ele está aqui para ir a sua casa hoje, para caminhar junto a sua jornada, para curas suas dores, para te libertar de suas opressões, ele está aqui, porque te ama.